ESTIMATIVAS HÁPTICAS E VISUAIS DE PERÍMETROS DE FORMAS REGULARES E IRREGULARES. Carolina Mendes Cruz Ferreira*, Fernanda Belinassi Balarini*, Lara Barros Martins*, Marina Noronha Ferraz de Arruda*, Nelson Torro Alves, Ana Irene Fonseca Mendes, e Sérgio Sheiji Fukusima (Departamento de Psicologia e Educação da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto – Universidade de São Paulo – USP Ribeirão Preto – SP).

Palavras-chaves: Percepção háptica; percepção visual; estimação de extensão linear

Há controvérsias na literatura se extensões lineares percebidas por meio da visão e do tato se diferem. Com objetivo de investigar este problema, dois grupos de 10 voluntários (5M e 5F) foram solicitados a estimar os perímetros de duas figuras de formas regulares (cujos perímetros eram de 30 e 50 cm) e de outras duas figuras de formas irregulares (cujos perímetros eram de 40 e 60 cm) ao esticar as extensões percebidas dos perímetros numa fita métrica, cuja escala numérica não lhe era permitido ver. Os voluntários de um dos grupos estimaram os perímetros após observar as figuras visualmente, desenhados em folhas de papel. Os voluntários do outro grupo foram primeiramente vendados e fizeram estas observações explorando-as hapticamente, isto é, percorrendo com os dedos de uma das mãos as bordas dessas figuras desenhadas em alto relevo em uma folha de papel. Foram calculados os erros relativos das estimativas subtraindo-se dos valores das estimativas os respectivos valores dos perímetros físicos e expressando-se essas diferenças em percentagens relativas a esses perímetros físicos. Análise de variância (ANOVA) dos erros relativos indicou que as estimativas dos perímetros sob condição visual são maiores que as extensões físicas dos perímetros enquanto que sob condição táctil essas estimativas são menores que os perímetros físicos. Além disso, sob condição visual, notou-se que as magnitudes dos erros relativos das formas regulares são maiores que aquelas para as formas irregulares e que elas tendem a decrescer com o aumento do perímetro físico. Sob condição táctil notou-se que as magnitudes de erros relativos são maiores para as formas irregulares que aquelas das formas regulares e que elas tendem a crescer com o aumento do perímetro. Não houve diferenças significativas entre homens e mulheres. Estes resultados permitem concluir que as modalidades sensoriais, táctil e visual, influenciam diferentemente as estimativas de perímetros de figuras de formas regulares e irregulares.